terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Fazendo girar as cabeças infantis. “A História foi abolida das escolas. No seu lugar, emerge uma sociologia do multiculturalismo”.

Fazendo girar as cabeças infantis

Importante artigo publicado no jornal “O Globo” informa: “A História foi abolida das escolas. No seu lugar, emerge uma sociologia do multiculturalismo”.

maria_131214Vai mar alto a investida para desvirtuar as mentes das crianças e adolescentes em idade escolar. Não bastasse a execrandaIdeologia de Gênero, que busca fazer com que os alunos passem a acreditar que não existe a realidade que lhes entra olhos adentro (a diferença entre os sexos) e que cada um pode compor seu sexo como quiser, surge agora outro despautério — desculpem-me a palavra arcaica, mas fala pelo som.
Importante artigo publicado no jornal “O Globo” em 8 de outubro último (*) informa: “A História foi abolida das escolas. No seu lugar, emerge uma sociologia do multiculturalismo”.
Sem concordarmos com todas as posições dos autores do artigo, é fora de dúvida que ele traz um contributo importante para o conhecimento do que está sendo tramado nos arraiais do Ministério da Educação (MEC).
Não é brincadeira de mau gosto. O MEC lançou uma proposta de “Base Nacional Comum (BNC), que equivale a um decreto ideológico de refundação do Brasil”. Contém as noções históricas básicas que o MEC quer implantar nas cabeças dos alunos.
Nas escolas, não se falará mais em Antiguidade, Idade Média, Idade Moderna, Idade Contemporânea. “No ensino médio, aquilo que se chamava História Geral surgirá sob a forma fragmentária do estudo dos ‘mundos ameríndios, africanos e afro-brasileiros’ (1º ano), dos ‘mundos americanos’ (2º ano) e dos ‘mundos europeus e asiáticos’ (3º ano)”.
A BNC inaugura “o ensino de histórias paralelas de povos separados pela muralha da ‘cultura’ […] A ordem do dia é esculpir um Brasil descontaminado de heranças europeias”.
HISTÓRIA APAGANDO A HISTÓRIA
Segundo essa concepção tresloucada, “o Brasil situa-se na intersecção dos ‘mundos ameríndios’ com os ‘mundos afro-brasileiros’”. Ou seja, o descobrimento e a posterior evangelização-colonização seriam “exclusivamente, uma irrupção genocida contra os povos autóctones e os povos africanos deslocados para a América Portuguesa”.
As aberrações não param por aí: “O conceito de nação deve ser derrubado para ceder espaço a uma história de grupos étnicos e culturais”.
Os professores seriam assim convertidos em doutrinadores multiculturais! Dentro dessa ideologia, como não poderia deixar de ser, o ódio à Cristandade medieval, tão presente nas correntes marxistas e quejandas, se faz sentir com força, desta vez por omissão. No BNC “inexistem referências sobre o medievo das catedrais, das cidades e do comércio”.
“A partir de agora, em linha com o decreto firmado pelo ministro os professores devem curvar-se a autores obscuros, que ganharão selos de autenticidade política emitidos pelo MEC. Não é incompetência, mas projeto político […] Doutrinação escolar? A intenção é essa”.
Talvez as reações contrárias de pais de família, professores e pessoas de bom senso em geral, venham a dificultar que tal projeto seja imediatamente aplicado.
Mas isso não significa que se deva abaixar a guarda, pois os ideólogos do bolivarianismo, do marxismo, do petismo e outros que tais, aboletados em situações de mando, não desistem. Querem absolutamente mudar as mentalidades, especialmente das crianças e adolescentes, para conformá-las às utopias que tramam em seus antros ideológicos. Na primeira ocasião que tiverem, dão o bote.
____________
Nota:
(*) “História sem tempo”, historiadora Elaine Senise Barbosa e sociólogo Demétrio Magnoli. Os mesmos autores retomaram o tema, com alguns acréscimos, em artigo para a “Folha de S. Paulo” (8/11/2015) sob o título “Proposta do MEC para ensino de história mata a temporalidade”.
Fonte: http://ipco.org.br/ipco/noticias/fazendo-girar-as-cabecas-infantis

domingo, 14 de junho de 2015

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Bono Vox achando o que estava procurando (Esquerda Caviar)

Bono Vox achando o que estava procurando

A coerência de Bono Vox mede 150 "curicos"
A coerência de Bono Vox mede 150 “curicos”
Bono Vox e a banda U2 foram novamente alvo de protestos na Irlanda, conforme noticia o Globo, pelo fato de usarem a Holanda como sede de suas empresas para fins de menor recolhimento tributário, enquanto fazem campanhas mundiais por mais estatismo, mais tributação e mais “solidariedade”. Isto posto, resgato um antigo texto meu sobre o mesmo tema, de 2010, quando essa questão veio à tona, levemente adaptado.
Foi com uma estrondosa gargalhada que li sobre a revolta irlandesa contra o U2 pelo fato da banda não pagar seus impostos na Irlanda, mas sim na Holanda, país que cobra menos impostos em relação ao país natal da banda, principalmente sobre propriedade intelectual.
Bono Vox, vocalista do grupo de rock U2, é mundialmente conhecido por seu engajamento humanitário e na luta pelo fim da pobreza na África. Durante esse trabalho,segundo informações do wikipedia, ele fundou as seguintes associações: DATA; EDUN; the ONE Campaign; e Product Red.
Vamos dar especial enfoque à associação One Campaign, que tem como objetivo mobilizar a opinião pública para encorajar os governos a aumentar suas arrecadações e utilizá-lo para ajuda externa à Africa.
Traduzindo: a One Campaign pretende criar uma grande massa de lobistas para que os governos tomem mais dinheiro da sua população local através do aumento de impostos e transfira toda essa riqueza para a África.
Esse é um “bono” exemplo do quão deturpado encontra-se o atual conceito de democracia. Essa organização acha absolutamente legítimo que um governo exaura sua população através da coleta de tributos em massa. Esse, por si, já é um problema grave de ordem moral, pois os governos estão, como sempre repetimos aqui, espoliando cidadãos produtivos para todo tipo de finalidade, seja ela escusa ou não, e sem nenhum limite. Depois, acha honesto criar um sistema de transferência internacional de recursos, onde os pobres dos países ricos financiarão os ricos dos países pobres, mantendo os pobres dos países pobres em um sistema de opressão política e econômica.
Demonstra, também, que um governo funciona em grande parte como um órgão de corrupção em larga escala, onde o dinheiro arrecadado não vai para os fins que a sociedade supostamente gostaria que fosse, mas sim para onde o burocrata quer que ele vá, sempre de acordo com a conveniência do lobista que paga mais.
Sobre a África, recomendamos o livro “Dead Aid: Why Aid Is Not Working and How There is Another Way for Africa“, da economista africana Dambisa Moyo, onde ela brilhantemente argumenta que a ajuda estrangeira apenas conseguiu enriquecer burocratas e criar uma grande aparelho estatal de corrupção, criando dependência e pobreza para a população. Defende, ao contrário de “humanistas” como Bono Vox, que somente o livre-mercado poderá salvar o continente até agora perdido, como demonstra na prática países como Botswana.
Já Bono Vox, bem, ele é um dos grandes defensores do estatismo e do socialismo no mundo, e vive posando de bom moço por conta de ações supostamente humanitárias, mas é muito fácil ser humanitário com o dinheiro dos outros. Quando se trata do seu próprio dinheiro, até mesmo o maravilhoso Bono tem esse instinto humano básico de reter para si o seu trabalho honesto, fruto do suor do seu rosto e do seu talento, buscando paraísos fiscais para defender seu dinheiro desse sistema que ele defende para todos, menos para si.
Na Irlanda moldada pelo seu bom mocismo, Bono Vox achou o que estava procurando: o coletivismo em busca de sua riqueza e mais um passo irlandês rumo à africanização de sua economia.
Diretor do Instituto Liberal
Mestre em Teoria e Filosofia do Direito (UERJ), Mestrando em Economia (Universidad Francisco Marroquín) e Pós-Graduado em Economia (UERJ). Professor de Economia Política das Faculdades de Direito da UERJ e da UFRJ. Advogado e Diretor-Executivo do Instituto Liberal.
Fonte: http://www.institutoliberal.org.br/blog/bono-vox-achando-o-que-estava-procurando/

domingo, 10 de maio de 2015

PT — partido que declaradamente promove a desagregação da Família

MENSALÃO, PETROLÃO, GENERÃO(ESQUEMAS DE CORRUPÇÃO DO PT) 

Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz

Familia numerosa 10
Por algum tempo, pensava-se que o mensalão fosse o maior esquema de corrupção já promovido pelo governo do PT. Quando veio à luz o petrolão, com desvio de dezenas de bilhões de reais da Petrobrás, o mensalão pareceu tão insignificante que poderia ser julgado em um “juizado de pequenas causas”, segundo palavras do ministro Gilmar Mendes.(1)
No entanto, ambos os esquemas parecem quase inofensivos diante de um outro, que não apenas furta o dinheiro público, mas concentra-se diretamente em destruir a família natural. Na falta de um nome melhor, chamarei de “generão” ao esquema de imposição sistemática da ideologia de gênero pelo governo petista.
Ressalvo que tal ideologia não é uma invenção do PT nem está confinada ao nosso País. O mundo inteiro, através dos organismos internacionais, está sob o ataque cerrado dessa doutrina, que tem suas raízes no marxismo. No Brasil, mesmo antes da era petista (que começou em 2003 e se prolonga até os nossos dias), o governo já havia iniciado a aplicação de tal ideologia.
No entanto, é forçoso reconhecer que nenhum outro partido, em nenhuma época da história, investiu tanto, em dinheiro e energias, no propósito de roubar a inocência das crianças, destruir a pureza dos jovens e aniquilar a sacralidade das famílias.(2) Distribuição de cartilhasliteralmentepornográficas nas escolas de ensino fundamental, promoção de gigantescas passeatas de “orgulho (sic) homossexual”, financiamento do crime do aborto na rede hospitalar pública, perseguição sistemática a quem não aceita a “família” composta por dois pederastas ou duas lésbicas, tentativa de incriminar a oposição ao homossexualismo, rotulada de homofobia, tudo isso tem feito o esquema petista decorrupção da sociedade.
O que vou relatar agora é apenas mais um dos inúmeros modos como vem funcionando o“generão” petista. No dia 12 de março de 2015, o “Diário Oficial da União” publicou duas resoluções doConselho Nacional de Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, órgão subordinado à Secretaria de Direitos Humanos. A primeira delas (Resolução n. 11, de 18 de dezembro de 2014) “estabelece os parâmetros para a inclusão dos itens ‘orientação sexual’, ‘identidade de gênero’ e ‘nome social’ nos boletins de ocorrência emitidos pelas autoridades policiais no Brasil”.(3) A resolução define esses três termos do seguinte modo:
Orientação sexual: é “uma referência à capacidade de cada pessoa de ter uma profunda atração emocional, afetiva ou sexual por indivíduos de gênero diferente, do mesmo gênero ou de mais de um gênero, assim como ter relações íntimas e sexuais com essas pessoas”. [Note-se aqui que se considera o homossexualismo e o bissexualismo como “orientações” sexuais, quando na verdade são desorientações sexuais].
Identidade de gênero: é “a profundamente sentida, experiência interna e individual do gênero de cada pessoa, que pode ou não corresponder ao sexo atribuído no nascimento, incluindo o senso pessoal do corpo (que pode envolver, por livre escolha, modificação da aparência ou função corporal por meios médicos, cirúrgicos ou outros) e outras expressões de gênero, inclusive vestimenta, modo de falar e maneirismos”. [Note-se aqui como se emprega “gênero” com sentido diferente de “sexo”. “Maneirismos” significa trejeitos].
Nome social: é “aquele pelo qual travestis e transexuais se identificam e são identificadas pela sociedade” [Em outras palavras: homens identificados com nome feminino e mulheres identificadas com nome masculino].
De agora em diante, é possível que, ao dirigir-se a uma delegacia de polícia para registrar uma simples ocorrência, o cidadão honesto receba perguntas constrangedoras, tais como: o senhor é homossexual? Está contente com o próprio sexo? Prefere ser chamado por um nome do outro sexo? O objetivo óbvio da resolução é colocar os transtornos sexuais, como o homossexualismo, o travestismo (e provavelmente o incesto e a pedofilia) no mesmo nível da normalidade sexual.
Mais assustadora, porém, é a Resolução n. 12, de 16 de janeiro de 2015, que“estabelece parâmetros para a garantia das condições de acesso e permanência de pessoas travestis e transexuais — e todas aquelas que tenham sua identidade de gênero não reconhecida em diferentes espaços sociais — nos sistemas e instituições de ensino, formulando orientações quanto ao reconhecimento institucional da identidade de gênero e sua operacionalização”.(4) O artigo 1º diz que “deve ser garantido pelas instituições e redes de ensino, em todos os níveis e modalidades [destaquei], o reconhecimento e adoção do nome social àqueles e àquelas cuja identificação civil não reflita adequadamente sua identidade de gênero”.
Parece que os seminários e as escolas religiosas estão incluídos entre as instituições obrigadas a reconhecer tal “nome social”. No artigo 2º, obriga-se a tratar exclusivamente pelo nome do outro sexo os alunos que assim o desejarem “em qualquer circunstância,não cabendo qualquer tipo de objeção de consciência [destaquei]”. É espantoso como uma norma infralegal ousa tolher o direito à objeção de consciência assegurado não só pelo Direito Natural, mas também pela nossa Constituição Federal (art. 5, VI e VIII; art. 143 §1º).
O artigo 6º estabelece que “deve ser garantido o uso de banheiros, vestiários e demais espaços segregados por gênero, quando houver, de acordo com a identidade de gênero de cada sujeito”. Os meninos, portanto, poderão frequentar o banheiro das meninas, e estas o dos meninos, bastando alegar que sua “identidade de gênero” corresponde à do outro sexo. O mesmo vale para os vestiários, onde se trocam as roupas. Abrem-se assim as portas para a promiscuidade sexual nas escolas. E os pais, poderão intervir para livrar seus filhos de toda essa depravação? Segundo o artigo 8º, “a garantia do reconhecimento da identidade de gênero deve ser estendida também a estudantes adolescentes, sem que seja obrigatória autorização do responsável [destaquei]”.
Tal resolução, portanto, nega aos pais o direito de educar seus filhos, direito este assegurado pelo Código Civil (art. 1630) e pela Constituição Federal (art. 229). Lembremos que a supressão da autoridade dos pais sobre os filhos é uma das bandeiras do marxismo, expressamente declarada no Manifesto Comunista (1848) de Marx e Engels: “Censurai-nos por querer abolir a exploração das crianças por seus próprios pais? Confessamos esse crime”.(5)
A essas resoluções os pais e educadores devem responder com a desobediência. Se houver tentativa de coação da parte de alguma autoridade, cabe impetrar contra ela um mandado de segurança alegando ameaça de violação do direito à integridade moral da criança ou adolescente (cf. art. 17, ECA). Os pais podem ainda ajuizar uma ação de reparação de danos morais se seus filhos sofrerem algum constrangimento quanto ao uso dos banheiros e vestiários. O que não se pode, neste momento, é permanecer inerte.
Anápolis, 6 de maio de 2015

Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz

Presidente do Pró-Vida de Anápolis

www.providaanapolis.org.br
______________ 
Notas:
1. Gilmar Mendes: Diante do petrolão, mensalão seria julgado em ‘pequenas causas’, 20 nov. 2014, em http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/gilmar-mendes-diante-de-petrolao-mensalao-seria-julgado-em-pequenas-causas/
2. Faço eco aqui às palavras do saudoso Bispo de Anápolis, Dom Manoel Pestana, que sempre orava “pela inocência das crianças, pela pureza dos jovens e pela santidade das famílias”.
3. DOU, Seção I, n. 48, 12 mar. 2015, p. 2-3.
4. DOU, Seção I, n. 48, 12 mar. 2015, p. 3.
5. Karl MARX; Friedrich ENGELS. Manifesto do Partido Comunista, São Paulo: Martin Claret, 2002, Parte II, p. 63.
Fonte: http://ipco.org.br/ipco/noticias/pt-partido-que-declaradamente-promove-a-desagregacao-da-familia#.VU_ptflViko

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Fachin no STF: uma ameaça aos institutos da Família e da Propriedade

BOLETIM
JORNAL SÃO PAULO PRESBITERIANO
https://jornalsaopaulopresbiteriano.blogspot.com

Contribuindo para o crescimento e desenvolvimento do Presbiterianismo Bíblico, reformado, calvinista, puritano, teonomista, reformacional, cheio do Espírito Santo e comprometido em “anunciar todo o Conselho de Deus”. Atos 20:27.

Editor: Luis Cavalcante - Ano 2015 D.C. – Nº 1 – Edição 1 – Maio
https://facebook.com/groups/luiscavalcante - economistaluiscavalcante@gmail.com


Fachin no STF: uma ameaça aos institutos da Família e da Propriedade

A Presidente Dilma Rousseff indigitou, há algumas semanas, o advogado e professor Luiz Edson Fachin para ocupar a vaga do Supremo Tribunal Federal aberta com a saída prematura do Ministro Joaquim Barbosa. Para ser aprovado, seu nome precisa ainda passar por sabatina no Senado.

Logo que foi conhecido, o nome de Fachin começou a enfrentar resistências de variadas índoles.
De acordo com opiniões nos meios jurídico e político, Fachin está envolvido em episódios na sua carreira profissional – supostas irregularidades cometidas enquanto foi procurador do Estado do Paraná – que deitariam sombras sobre uma das exigências para o cargo de Ministro de Supremo Tribunal, a “ilibada reputação”. Motivo pelo qual sua sabatina já foi adiada duas vezes.

Além disso, a indicação da Presidente não deixou de chocar amplos setores da sociedade, uma vez que Dilma Rousseff preferiu apostar na radicalização política.

O Brasil vive um clima de crescente e público descontentamento em relação à Presidente, a seu mentor político, Lula, ao Partido dos Trabalhadores e à agenda ideológica que estes tentam impingir ao País. Entretanto, Dilma Rousseff, ao indicar o nome de Luiz Edson Fachin, um advogado das causas do MST, chegado ao sindicalismo da CUT e simpatizante do próprio PT, apostou precisamente no reforço desta agenda de esquerda, aparelhando a Suprema Corte do País.

Inequívoca influência marxista

Quem se debruça um pouco sobre os escritos de Luiz Edson Fachin – disponíveis na Internet para quem os quiser consultar – não tem dificuldade em notar a inspiração marxista de seu pensamento.

A dinâmica social para ele se centra na luta de classes entre oprimidos e opressores, e considera que a presente estrutura jurídica acaba por causar uma exacerbação das desigualdades. Favorável a uma igualdade radical e anti-hierárquica, Luiz Edson Fachin mostra-se, no campo das relações familiares, contrário ao modelo exclusivo da “matrimonialização da família” e considera a propriedade privada uma perversão humana.

Fazendo eco ao slogan de “um outro mundo é possível”, dos Fóruns Sociais Mundiais (que reúnem as esquerdas radicais dos mais diversos países) Luiz Edson Fachin afirma que é necessário “sonhar com outro porvir”.  Ou seja, uma ordem socialmente orientada a nivelar os indivíduos (o Homem Coletivo).

Para Fachin, trata-se de “produzir alterações estruturais, reforma econômica e social de tendência nitidamente intervencionista e solidarista”, atingindo de maneira frontal o tratamento jurídico da propriedade e da família.

Propriedade e “função social”

Em seus escritos, Luiz Edson Fachin, investe decididamente contra a propriedade privada no campo, atacando o que qualifica como “modo de produção capitalista” que, segundo ele, causa crescente apropriação dos bens e riquezas por parte de uma minoria, em relação a uma maioria da população explorada em sua força de trabalho.

Por isso, torna-se necessário, para Fachin, o “redimensionamento do direito de propriedade” que o subordine a sua “função social”, um jogo de palavras que considera a função social como antagônica à própria propriedade privada, rumo à extinção desta.

Um adversário da família cristã

Fachin também se mostra um adversário da instituição familiar, concebida segundo a Lei Natural e os princípios cristãos, e tão relacionada com a mentalidade e os costumes do povo brasileiro.

Ele propugna a busca de uma “estrutura familiar justa e inclusiva” com a “superação do estatuto jurídico da família monogâmica”, em que todas as relações possam ser reconhecidas como “familiares”, em nome dos princípios da afetividade e do direito à busca da felicidade e do bem-estar.
Seus escritos, em matéria de família – envoltos em empoladas sentenças – não são desprovidos de certa arrogância de uma esquerda bem-pensante. Por isso Fachin afirma, com despeito, que grassa hoje no Direito de Família, tanto em tratados como nos tribunais, “um coro crédulo e entusiástico da manualística rasteira, uma gosma com verniz de epidérmico conhecimento provinciano e surreal”.

Ativismo judicial no Supremo Tribunal Federal

Ao considerar em breves traços o pensamento jurídico de Luiz Edson Fachin cabe uma dúvida: qual a importância destas opiniões doutrinárias para alguém que, uma vez ministro do Supremo Tribunal Federal, passará a ser um “guardião da Constituição” e, portanto, a julgar segundo o texto desta? É precisamente neste ponto que se encontra o maior perigo.

Adepto de uma profunda reforma da ordem jurídica, Luiz Edson Fachin vê o Direito como tendo um papel dialético de “promover a emancipação”. Defensor de que a constitucionalidade das regras se altere de acordo com as mudanças da sociedade “pela força criadora dos fatos”, ataca o dogmatismo enclausurado dos acomodados. Fachin mostra-se assim um defensor do ativismo judicial, o qual aplicará indubitavelmente em suas decisões no STF.

By José Carlos Sepúlveda da Fonseca


*  *  *

Torna-se, pois, necessária uma pressão da sociedade sobre os Senadores para que não aprovem o nome de Luiz Edson Fachin para a vaga do Supremo. Seu pensamento jurídico constitui uma ameaça à preservação dos institutos da Família e da Propriedade no Brasil.

Entre em Ação

DISQUE “ALÔ SENADO” : 0800 61 22 11 

CONTRA NOMEAÇÃO DE FACHIN PARA O SUPREMO

Fachin será sabatinado  às 10h do dia 12, terça-feira, na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado.

Os senadores têm poder de vetar um nome indicado pela Presidência da República, porém, em quase 100% dos casos o candidato é homologado.

No caso de Fachin, temos um agravante. O relator, Alvaro Dias (PSDB/PR) deu um parecer favorávelà homologação de Fachin para o STF!

A posição de Álvaro Dias é estranha — e vale a pena ligar para o seu gabinete — (61) 3303-4059/4060 – uma vez que ele foi o grande lutador contra a inclusão da ideologia de gênero no Plano Nacional de Educação (PNE). Talvez ele esteja mal informado sobre Fachin.

O que você pode fazer?

Ligue agora gratuitamente para o “Alô Senado”: 0800 61 22 11 e diga:

Desejaria deixar uma mensagem para os senadores membros da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) que irão sabatinar o advogado Luiz Edson Fachin.

Dite depois a mensagem:

Solicito a Vossa Excelência que, em nome da família natural, vote CONTRA a nomeação de Fachin para o Supremo Tribunal Federal.

O candidato é defensor da poligamia, da equiparação de direitos entre esposa e amante, entre outras teses contrárias à família.

Na Suprema Corte, Fachin colaborará para extinguir o que ainda resta de proteção jurídica à família fundada no matrimônio monogâmico e na fidelidade mútua.

A família brasileira agradece seu voto contrário a Fachin.

Ligue para o gabinete de Alvaro Dias (61) 3303-4059/4060 e manifeste a sua surpresa em vê-lo apoiando Fachin (a ligação não é gratuita).




Patrocínio:

DR. CONSÓRCIO
Site Empresarial:  www.doutorconsorcio.com.br - E-mail:  cavalcante@doutorconsorcio.com.br
Precisa-se de vendedores e representantes comerciais: rh@doutorconsorcio.com.br
VENHA ANUNCIAR NO BOLETIM – JORNAL SÃO PAULO PRESBITERIANO

07/05/2015 A.D[1] (D.C.) – (18 Iyar 5775[2])  - SOLI DEO GLORIA[3] - CORAM DEO[4]



[1] O termo Anno Domini é, por vezes, substituído pela expressão mais formal e descritiva Anno Domini Nostri Iesu Christi ("Ano de Nosso Senhor Jesus Cristo"). É, por vezes, ainda substituído pela expressão na era da Graça. A forma de datação segundo o Anno Domini foi primeiramente utilizada na Europa Ocidental durante o século VIII. O primeiro historiador ou cronista a usar o Anno Domini como mecanismo de datação principal foi Victor de Tonnenna, escritor africano do século VII. Poucas gerações depois, o historiador anglo-saxão Beda, que conhecia bem o trabalho de Dionísio, voltou a usar o Anno Domini na sua Historia eclesiástica gentis Anglorum, ("História eclesiástica do povo inglês) terminada em 731. Foi nesta obra que se usou pela primeira vez o equivalente, em latim, de "antes de Cristo" (Ante Christum - A.C.), estabelecendo o padrão da não existência de ano zero - ainda que tenha usado o zero no seu computus, ou determinação da Páscoa cristã. Tanto Dionísio como Beda dataram o Anno Domini como sendo o momento da encarnação ou concepção de Jesus Cristo por Graça do Espírito Santo e não no seu nascimento, aproximadamente nove meses depois. – Grifo por Prof. Luis Cavalcante.

[2] De acordo com a tradição judaica, a contagem é feita a partir da criação de Adão o primeiro homem. Ou seja, os dias se iniciaram, segundo o Velho Testamento Hebraico ao por do sol na noite de 5º feira (Yom Shishi), 7 de outubro de 3.761 a.C. – Grifo por Prof. Luis Cavalcante.

[3] Uns dos maiores músicos que já existiu. Johann Sebastian Bach (Eisenach, 21 de março de 1685 — Leipzig, 28 de julho de 1750) foi compositor, cantor, cravista, maestro, organista, professor, violinista e violista oriundo do Sacro Império Romano-Germânico, atual Alemanha. Bach foi um dos mais prolíficos compositores do ocidente. O número exato de suas obras é desconhecido, mas o catálogo BWV assinala mais de mil composições, entre elas inúmeras peças com vários movimentos e para extenso conjunto de executantes. Em muitas partituras encontram-se as inscrições Jesu juva (Ajuda, Jesus!) ou Soli Deo gloria (Para a glória de Deus somente) - Grifo por Prof. Luis Cavalcante

[4] Diante de Deus. Na presença de Deus. Grifo por Prof. Luis Cavalcante.

sábado, 17 de janeiro de 2015

(Vídeo) - A arte da guerra política de David Horowitz - Destruindo o discurso comunista-nazista-fascista (que são essencialmente estatista)

(Vídeo) - A arte da guerra política de David Horowitz - Destruindo o discurso comunista-nazista-fascista (que são essencialmente estatista)

Clique no link abaixo para o vídeo:
http://sociologiareformacional.blogspot.com.br/2015/01/video-arte-da-guerra-politica-de-david.html

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Por que o marxismo odeia o cristianismo?

Por que o marxismo odeia o cristianismo?

 Eguinaldo H. Souza
por que o marxismo odeia o cristianismoO marxismo autêntico sempre odiou e sempre odiará o cristianismo autêntico. Se não puder pervertê-lo, então terá que matá-lo. Sempre foi assim e sempre será assim.

E por que essa oposição manifestada ao cristianismo por parte do marxismo? Por que o ódio filosófico, a política anticristã, a ação assassina direcionada aos cristãos?

Por que o país número um em perseguição ao cristianismo não é muçulmano e sim a comunista Coréia do Norte?

As pessoas se iludem quando pensam no marxismo como doutrina econômica ou política. Economia e política são meros pontos. Marx não acreditava ter apenas as resposta para os problemas econômicos. Acreditava ter todas as respostas para todos os problemas.

Marxismo, na verdade, é uma crença, uma visão de mundo, uma fé. O socialismo nada mais é do que a aplicação dessa fé por um governo totalitário. O comunismo, por sua vez, é apenas a escatologia marxista, o suposto mundo paradisíaco que brotaria de suas profecias.

E esta fé não apresenta o caráter relativista de um hinduísmo ou de um budismo. Tendo nascido dos pressupostos cristãos, o marxismo roubou seus absolutos e se apresenta como a verdade absoluta, como o único caminho para redenção da humanidade. E ainda que tenha se apossado dos pressupostos cristãos, inverteu tais pressupostos tornando-se uma heresia anticristã.

No lugar do teísmo, o ateísmo. No lugar da Providência Divina, o materialismo dialético. Ao invés de um ser criado à imagem e semelhança de Deus, um primata evoluído cuja essência é o trabalho, o homo economicus. O pecado é a propriedade privada, o efeito do pecado, simplesmente a opressão social. O instrumento coletivo para aplicar a redenção não é a Igreja, mas o proletariado, que, através da ditadura de um Estado "redentor", conduziria o mundo a uma sociedade sem classes. E o resultado seria não os novos céus e a nova terra criados por Deus, mas o mundo comunista futuro, onde o Estado desaparecerá, as injustiças desaparecerão e todo conflito se transformará em harmonia. Esta é a fé marxista, um evangelho que não admite rival, pois assim como dois corpos não ocupam o mesmo espaço, duas crenças igualmente salvadoras não podem ocupar o mesmo mundo, segundo o marxismo real.

Sim, o comunismo de Marx era um evangelho, a salvação para todos os conflitos da existência, fosse o conflito entre homem e homem, homem e natureza, nações e nações. Assim lemos em seus Manuscritos de Paris:

"O comunismo é a abolição positiva da propriedade privada e por conseguinte da auto-alienação humana e, portanto, a reapropriação real da essência humana pelo e para o homem... É a solução genuína do antagonismo entre homem e natureza e entre homem e homem. Ele é a solução verdadeira da luta entre existência e essência, entre objetivação e auto-afirmação, entre liberdade e necessidade, entre indivíduo e espécie. É a solução do enigma da história e sabe que há de ser esta solução."

E como o marxismo nega qualquer transcendência, qualquer realidade além desta realidade, seu "paraíso" deve se realizar neste mundo por meio do controle total. Não apenas o controle político e econômico, mas o controle social, ideológico, religioso. Não pode haver rivais. Não pode haver cristãos dizendo que há um Deus nos céus a quem pertencem todas as coisas e que realizou a salvação através da morte e ressurreição de Cristo. Não pode haver outra visão de mundo que não a marxista, não pode haver outra redenção senão aquela que será trazida pelo comunismo. O choque é inevitável.

Está é a raiz do ódio marxista ao cristianismo. Seu absolutismo não permite concorrência.David H. Adeney foi alguém que viveu dentro da revolução maoísta (comunista) na China. Ele era um missionário britânico e pode ver bem de perto o choque entre marxismo e cristianismo no meio universitário, onde trabalhou. Chung Chi Pang, que prefaciou sua obra escreveu:

"(...) a fé cristã e o comunismo são ideologicamente incompatíveis. Assim, quando alguém chega a uma crise vital de decisão entre os dois, é inevitavelmente uma questão de um ou outro (...) [o autor] tem experimentado pessoalmente o que é viver sob um sistema político com uma filosofia básica diametralmente oposta à fé cristã."

Os marxistas convictos sabem da incompatibilidade entre sua crença e a fé cristã. Os cristãos ainda se iludem com uma possível amizade entre ambos; "... para Marx, de qualquer forma, a religião cristã é uma das mais imorais que há." (Mclellan, op. Cit., p.54). E Lenin, que transformou a teoria marxista em política real, apenas seguiu seu guru:

"A guerra contra quaisquer cristãos é para nós lei inabalável. Não cremos em postulados eternos de moral, e haveremos de desmascarar o embuste. A moral comunista é sinônimo de luta pelo robustecimento da ditadura proletária."

Assim foi na China, na Rússia, na Coreia do Norte e onde quer que a fé marxista tenha chegado. Ela não tolerará o cristianismo, senão o suficiente para conquistar a hegemonia. Depois que a pena marxista apossar-se da espada, então essa espada se voltará contra qualquer pena que não reze conforme sua cartilha.

Os ataques aos valores cristãos em nosso país não são fruto de um acidente de percurso. É apenas o velho ódio marxista ao cristianismo, manifestando-se no terreno das ideias e das discussões, e avançando no terreno da legislação e do discurso. O próximo passo pode ser a violência física simples e pura. Os métodos podem ter mudado, mas sua natureza é a mesma e, portanto, as conseqüências serão as mesmas.

Se nós, cristãos, não fizermos nada, a história se repetirá. Pois, como alguém já disse, quem não conhece a história tende a repeti-la. E parece que mesmo quem a conhece tende a repeti-la quando foi sendo anestesiado pouco a pouco pelo monóxido de carbono marxista. Será que confirmaremos a máxima de Hegel, que afirmou que a "história ensina que não se aprende nada com ela"?

Fonte: Portal Conservador

Fonte via: http://www.internautascristaos.com/textos/artigos/por-que-o-marxismo-odeia-o-cristianismo